GDF desiste de alterar os descontos do IPTU e IPVA no Nota Legal

autor Misto Brasília

Postado em 17/05/2019 17:33:39 - 17:30:00


André Clemente voltou atrás na decisão de mudar o Nota Legal/Arquivo

Secretário da Fazenda já tinha anunciado que o sistema seria trocado por uma espécie de milhagem

A Secretaria da Fazenda do Distrito Federal desistiu de alterar o programa de incentivo do Nota Legal. Ontem e hoje pela manhã o secretário André Clemente havia anunciado que o sistema seria alterado e substituído por uma espécie de milhagem. O anúncio não foi bem recebido pelos contribuintes.

Clemente informou que as alterações estavam sendo estudadas “com o intuito de deixar o programa mais atraente para os contribuintes”. Numa enquete promovida pela rádio CBN pela manhã, 79% das pessoas que responderam ao questionamento disseram que são contra a revisão do atual sistema de desconto do IPTU e IPVA do Nota Legal.

Nesta tarde, o senador Antônio Reguffe (Sem partido-DF) informou em seu Twitter que conversou com Clemente que teria concordado com as suas ponderações. “Agradeço o secretário pela sensibilidade”, disse ele.

O secretário disse que também está sendo discutida a extinção da devolução do valor em espécie e a eliminação dos sorteios que dão dinheiro aos contribuintes participantes do programa. As alterações dos atuais benefícios seriam substituídas pela criação de uma conta personalizada para o cidadão. Com a criação dessa conta específica. Os créditos do programa Nota Legal passariam a ser usados para compra de produtos de empresas instaladas no DF, segundo publicou a Agência Brasília.

Em 2018, mais de 356 mil consumidores resgataram R$ 57,03 milhões em créditos para diminuir os custos com IPTU e IPVA. Outros 16 mil indicaram a conta-corrente ou poupança para depósito — somando R$ 1,89 milhão.


AO VIVO TV Euronews
AO VIVO TV NBR
veja +
Ibaneis disse que ficou triste com investigações contra médicos de hospital
Projeto reforça garantia de liberdade de expressão em escolas e universidades
Telefônicas podem ser obrigadas a atender todos os distritos em quatro anos
veja +