As provas para levar Maduro ao Tribunal Penal

autor Misto Brasília

Postado em 15/10/2017 07:35:14 - 08:27:00


Maduro é acusado de cometer crimes contra os direitos humanos/Arquivo

Ex-procuradora Luisa Ortega disse que é capaz de provar as violações de direitos humanos

A ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega Díaz afirmou neste sábado (14), em entrevista para a DW, que é capaz de provar as violações de direitos humanos no país e que tem provas suficientes para levar o presidente Nicolás Maduro ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

Ortega Díaz disse ter apresentado um dossiê sobre execuções extrajudiciais e outras violações em Genebra, na Suíça. "Trata-se, sobretudo, de laudos, protocolos de autópsias, reconhecimento de lugares, laudos sobre projéteis. Todos esses elementos, além dos testemunhos, podem fortalecer uma denúncia [ao TPI]", afirmou. 

Sobre outros motivos para denunciar o governo Maduro, Ortega Díaz também mencionou a corrupção e, em particular, o caso da empreiteira brasileira Odebrecht. "Tenho depoimentos, [prova] documental e as contabilidades", contou, assegurando também que estava trabalhando em conjunto com promotores brasileiros e de outros países.

Ortega Díaz foi também questionada se a União Europeia deveria aplicar sanções econômicas – a exemplo dos EUA – ao governo venezuelano. "O que eu quero é que as medidas tomadas pelos Estados não afetem a população, não afetem a sociedade", explicou. Ela assegurou que não defende sanções, mas um caminho jurídico para o país sair da crise.

A jurista também destacou as eleições regionais que serão realizadas neste domingo no país. A ex-procuradora-geral disse que não há contradição em participar da votação porque o pleito não foi convocado pela Assembleia Nacional Constituinte, um órgão integrado somente por chavistas.


Ibaneis bate boca com deputados distritais da oposição sobre escolas militares
AO VIVO TV Câmara Legislativa
veja +
Maia vai instalar nesta quarta comissão para discutir novas regras para o saneamento
Deputados cobram desbloqueio de recursos para a educação
Presidente da Cobap, Warley Gonçalves, sugere uso da máquina para reeleição
veja +