Farc - vida depois da guerrilha

autor Misto Brasília

Postado em 28/01/2018 07:56:19 - 07:46:00


Gira Ortega foi guerrilheira, hoje é repórter de um jornal NC Notícias/Reprodução/El Periódico

Um ano depois de entregarem as armas, a reincorporação de 8 mil pessoas é um desafio mais crítico

Texto de Javier Sulé, do El Periódico

Oito mil guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) realizaram neste domingo, um ano atrás, sua última marcha para chegar às chamadas zonas de normalização e começam a transição para a vida civil. A frustração com o que eles esperavam, um futuro incerto e o medo de serem mortos marcaram seu novo caminho, já sem armas. 

A reincorporação de ex-combatentes é uma das questões mais críticas no processo de paz na Colômbia. Um censo socioeconômico nas Farc indica que 77% dos ex-guerrilheiros não têm um lugar para viver quando o processo de reincorportação terminar. O chefe da missão da ONU na Colômbia, Jean Arnoult, diz que cerca de 3.600 ex-combatentes haviam deixado a ETCR pela perda de confiança e os padrões governamentais. 

Desde a assinatura do acordo de paz, 40 ex-guerrilheiros e 13 familiares já foram mortos. As mortes são adicionadas aos 150 líderes sociais e defensores dos direitos humanos que também perderam suas vidas no ano passado na Colômbia. O paramilitarismo pode estar por trás de todos esses crimes. 

A reincorporação política das Farc é um fato e, como partido político (Partido do Poder Alternativo Revolucionário da Common), planeja participar das eleições de março e das eleições presidenciais de maio. No plano da memória, centenas de assassinatos de membros da União Patriótica, outro partido nascido dos movimentos de guerrilha nos anos 80 ou o assassinato de vários candidatos presidenciais da esquerda.

Miguel Botache deixou de ser o camarada Gentil, foi expulso e declarado um traidor que decidiu continuar em armas e não participar do processo de paz. Como as Farc, dizem que ele tem ambição por dinheiro. 

O homem afável é hoje o mais procurado da Colômbia, considerado o líder da chamada dissidência, um fenômeno preocupante que se estima que já poderia ter entre 400 e 800 homens armados.

A vida dura nos acampamentos - Patricia Restrepo chegou na vila de Santa Lúcía em 31 de janeiro do ano passado. Ela fez isso com os 250 membros da Frente 18 das Farc às quais pertencia. Foram três décadas de guerrilha. Uma paz à frente que é tão emocionante quanto incerto. 

Desde aquele dia, vive no chamado Espaço Territorial de Treinamento e Reincorporação (ETCR), uma cidadela de casas pré-fabricadas construídas no meio da cordilheira ocidental dos Andes colombianos, a duas horas do município de Ituango, na região de Antioquia. A Santa Lúcia é um dos 26 campos espalhados por todo o país onde os 8 mil homens e mulheres da guerrilha se reagruparam para começar sua transição para a vida civil depois de assinar a paz e encerrar uma guerra de 52 anos.   

Um ano depois, ainda não é fácil levar o sinal da Internet entre as montanhas acidentadas desta região, mas Patricia Restrepo continua tentando todas as noites, aconchegadas na mesma árvore para falar com sua irmã, ex-guerrilheira como ela, que deixou o campo há algumas semanas e saiu para a cidade de Medellín. A jovem ex-combatente quer seguir seus passos. Um ano se passou e ela diz que já está entediada e muito desorientada, porque não sabe o que acontecerá com o futuro dela. 

A maioria dos 26 acampamentos que acolheram a guerrilha não tinha condições mínimas para viver. "O governo prometeu ter terminado e não cumpriu. Eles acreditavam que, porque passávamos toda a nossa vida na selva, devemos viver como animais. Quando chegamos não havia banheiros nem água potável nem energia. A comida era escassa e às vezes em mau estado. As casas nem sequer começaram e tivemos que dormir em tendas de plástico por meses ", lamenta Patricia Restrepo. 

De acordo com as Nações Unidas, apenas seis dos 26 campos estão finalizados. Santa Lúcia é uma daqueles que hoje está quase terminada, graças em grande parte aos próprios guerrilheiros que assumiram essa tarefa. Os atrasos na construção e outras violações do governo colombiano afetaram negativamente o processo de reincorporação e o humor dos ex-guerrilheiros. As pessoas estão saindo. Em Santa Lúcia, cem ex-guerrilheiros não estão mais lá. Eles eram 150. 

Vanesa Rodríguez não tem a menor intenção de deixar Santa Lucia e menos agora que está grávida. Ele esteve nas Farc há 17 anos, onde juntou-se com 15 depois que os paramilitares mataram seu pai. "Não estou desmotivado, mas estou muito preocupado. Tenho medo de que, coletivamente, não sejam muitas as coisas que pensávamos sobre a paz. Tudo se move muito devagar e faz as pessoas desencorajar e sair. Mas eu não vejo o motivo, porque se você gastou tanto tempo na guerrilha e agora você sai, então você perdeu seu tempo. Desunido não obteremos nada ", diz ela. 

Cada espaço territorial é um mundo. Em algumas coisas, funciona melhor do que em outros, mas a incerteza da Santa Clara ETCR não é um caso isolado. O desencorajamento prevalece. Todos cumpriram seu compromisso de entregar as armas, mas hoje muitos sentem-se profundamente frustrados com o que esperavam, diante do seu futuro socioeconômico e de sua segurança. 

Na Agência de Reintegração e Normalização (ARN), a agência governamental da Colômbia responsável pela reinserção, acredita que a situação melhorou desde que os ex-guerrilheiros começaram a receber os subsídios econômicos estipulados e lembre-se de que todos gozam de liberdade de movimento como qualquer cidadão. 

"Alguns permanecem na ETCR e outros foram às cidades ou aos seus locais de origem, onde estão suas famílias. As entradas e saídas do ETCR são flutuantes, mas, em qualquer caso, a ARN tem a capacidade de cuidar deles, mesmo que estejam fora ", declare as fontes desta organização ao periódico da Catalunha.


AO VIVO TV Euronews
AO VIVO TV NBR
veja +
Ibaneis disse que ficou triste com investigações contra médicos de hospital
Projeto reforça garantia de liberdade de expressão em escolas e universidades
Telefônicas podem ser obrigadas a atender todos os distritos em quatro anos
veja +